sexta-feira, 29 de junho de 2012

Boa Noite com Radamés

Radamés toca Odeon
Apresentação de Tom Jobim

FAHRENHEIT 451

FAHRENHEIT  451

Confesso-me analfabeto de pai, mãe e parteira no que diz respeito a tal de ciência econômica, se é que ela existe mesmo.
Por essa razão fundamental, vivi até hoje como um redondo idiota, pensando que HOMEM RICO era aquele que possuia bens palpáveis, fazendas de gado, café, soja, ou indústrias, das mais variadas e mais uma centena de grandes empreendimentos que se poderia VER, TOCAR com as mãos etc.
Ledo engano!
Pensava eu que homem rico era um José Alencar, capitão de indústrias com vastas plantações de algodão, fábricas de tecidos, roupas etc.
Homem rico era um Antônio Ermírio de Moraes com as suas inúmeras indústrias.
Homem rico era Gerdau com indústrias espalhadas pelo mundo.
Vejo agora o meu engano e a minha ignorância.
Pelas revistas internacionais e nacionais, a riqueza, hoje, está concentrada em papéis, pedaços de
papéis belamente impressos e com o aval de bolsas, bancos e quejandos, que afirmam em laudatórios relatórios serem aqueles pedaços de papel valerem 10, 20 até 100 vezes o tal de "valor de face", geralmente R$1 (UM Real) - De Um real a  não sei quantas centenas de reais.
Papel. Papel. Papel.
(Sobre esse tipo de negociação papel X papel, meu amigo Carlos Antônio Abreu, o mineiro ermitão de Passos, MG, tem uma explicação didática, a história da venda X venda de um relógio. Vai aqui o desafio para que o meu amigo conte a deliciosa lição)
Num piscar, numa manhã em que os tais investidores estão de ressaca, com o fígado em pandarecos ou acreditando em boatos, tudo desaba, e aquele pedaço de papel que valia muito, perde o seu valor, até de face, e vira pó, vira cinza. E tal HOMEM  MUUUUUUITO  RICO chega a pular da cobertura do prédio da sua outrora maior empresa do mundo, segundo uma tal de Forbes, essa mesmo que, nos tempos da ditadura, fez publicar na Europa uma relação dos 10 homens mais ricos do mundo, onde se destacava o nome de Juscelino, ex-presidente brasileiro.
Sobre esse assunto de vender e comprar papel, lembro-me de um jocoso incidente acontecido em Minas Gerais.
Certa época surgiram em Belo Horizonte vários corretores vendendo papéis de uma empresa chamada MERPOL Empreendimentos, com uma inusitada segurança e lastro garantido por minas de ouro e outros minerais em Mato Grosso. Foi um sucesso de venda.
Descoberto o golpe, os autores, dois engenheiros, foram presos e confessaram o golpe, esclarecendo à polícia que MERPOL era a abreviatura de "Merda em Pó Limitada"!


Eike Batista perde metade da sua fortuna, diz Forbes

Em comparação a março deste ano, o homem mais rico do Brasil já perdeu US$ 15,5 bilhões, segundo a publicação americana

  
 
 
140 caracteres
 
Verificação de segurança
 
 
 
 
 
Gênero
 
 
Eike Batista (Foto: Divulgação)
Eike Batista precisará utilizar a sua veia empreendedora mais do que nunca. Com as ações da OGX despencando nos últimos dois dias, as seis companhias do homem mais rico do Brasil já perderam R$ 20,2 bilhões no mês de junho até o dia 28 (sendo R$ 13.809 bilhões nos últimos dois dias), de acordo com levantamento da Economatica. O valor de mercado das seis empresas do grupo EBX caíram de R$ 52,3 bilhões em 31 de maio, para R$ 32 bilhões em 28 de junho, uma queda de 39%.
Por consequência, a fortuna de Eike também encolheu e o fez perder posições nas listas de bilionários da Bloomberg e da Forbes. Na lista da Forbes Eike saiu da 7ª posição para a 46ª. Pelos cálculos da publicação, o bilionário perdeu US$ 15,5 bilhões, mais da metade da sua fortuna, antes estimada em US$ 30 bilhões. Mesmo com a queda estrondosa, ele ainda se mantém como o homem mais rico do Brasil.
Já o banqueiro Joseph Safra, com uma fortuna estimada em US$ 12,6 bilhões, perdeu o posto do segundo brasileiro mais rico, depois de perder 8,7% de seus bilhões.

Ele cedeu o posto a Jorge Paulo Lemann, que aumentou sua fortuna depois de vender uma fatia de 29% do Burger King (que voltou recentemente à Bolsa de Valores de Nova York) em uma operação que captou US$ 1,4 bilhão fazendo a companhia valer US$ 4,83 bilhões. O negócio rendeu ao executivo mais US$ 1 bilhão aos seus cofres, deixando-o com uma fortuna estimada em US$ 13 bilhões.
Os executivos agora estão muito próximos de alcançar (e até ultrapassar) a riqueza de Eike, que antes superava com larga vantagem os outros bilionários brasileiros. Eike conta agora com uma fortuna de US$ 14,5 bilhões, um pouco à frente dos US$ 13 bilhões de Lemann.
Para não perder o posto, Eike agora precisa gerenciar a crise que abala as suas empresas. Uma de suas primeiras manobras para estancar as perdas foi a troca de presidentes da OGX, companhia de exploração de petróleo e gás, e a OSX, companhia de infraestrutura para exploração de petróleo off shore, ambas do grupo EBX.
Luiz Eduardo Guimarães Carneiro, atual diretor presidente da OSX, passa a ser o diretor presidente (CEO) da OGX. Ele substituirá Paulo Mendonça, que deixará o posto para ocupar a posição de conselheiro da presidência do Grupo EBX. A presidência da OSX será assumida por Carlos Eduardo Sardenberg Bellot, atual diretor de operações, engenharia, afretamento e desenvolvimento, que acumulará os dois cargos.
Para um homem como Eike Batista, vencer essas dificuldades não é tarefa impossível. Afinal, ele é reconhecido pela capacidade de vender projetos e ideias, tendo conseguido captar, desde o ano 2000, US$ 26 bilhões para seus cinco negócios principais, como mostra reportagem da edição de março de Época NEGÓCIOS.
Início da crise
Depois de informar uma expectativa menor para a produção de petróleo no campo de Tubarão Azul, o Bank of America Merrill Lynch rebaixou a recomendação das ações da OGX de “neutral” (em linha com o desempenho do mercado) para “underperform” (desempenho abaixo da média do mercado). Isso fez com que as ações da companhia enfrentassem forte queda na Bovespa. Na quarta-feira (27/06), a desvalorização passou dos 25%, e na quinta, ultrapassou os 19%. Nesta sexta-feira, os papéis voltaram a se valorizar e apresentaram uma alta de 4,95%, valendo R$ 5,30.


Siga Época NEGÓCIOS nas redes sociais





TEXTO DE HÉLIO FERNANDES

Hélio Fernandes... Após longa ausência, certamente motivada pelo falecimento de dois filhos, ocorridos no ano passado, e do irmão,
Millor Fernandes, ocorrido no mês passado, o decano dos jornalistas brasileiros, nonagenário, finalmente volta a escrever e a nos brindar
com suas análises, sempre acuradas e calcada em fatos incontestáveis.


Por Hélio Fernandes - Publicado na Tribuna da Imprensa

Eike Batista: "Paguei meu imposto de renda com um cheque de 670 MILHÕES DE REAIS. Deve ser verdade. Mas de onde vem essa fortuna, que segundo ele, é a maior do Brasil? Do pai, o melhor do Brasil?

Ninguém duvida, as dúvidas estão todas na sua vida, ou melhor, na vida
do pai, que montou sua herança, antes mesmo dele nascer. Ninguém tem uma trilha (que gerou o trilhão) de irregularidades tão grande quando Eliezer Batista. E em toda a minha vida profissional, nunca escrevi tanto e tão vastamente sobre irregularidades, prejuízo ao Brasil, ENRIQUECIMENTO COLOSSAL, quanto sobre Eliezer. E logicamente nem uma vez de forma POSITIVA, sempre naturalmente NEGATIVA.

A partir do "Diário de Notícias" (1956/1962) e depois já na "Tribuna da Imprensa", Eliezer era personagem quase diário.

O roubo das jazidas de manganês do Amapá, assunto exclusivo deste repórter, ninguém participava, Eliezer era tão GENEROSO com os jornalões, como foi depois com o filho. O Brasil era o maior produtor de manganês do mundo. Como era de outros minérios, todos controlados por ele, presidente eterno da Vale.

Eliezer devastou o Amapá, entregou todo o manganês aos americanos, a "preços de banana" (royalties para o presidente dos EUA, Theodore Roosevelt, que inventou essa expressão para identificar os países debaixo do Rio Grande. Isso em 1902).

No porto de Nova Iorque, os navios que vinham do Brasil com manganês, atracavam lá longe para não provocar comentários. E este repórter dava o número dos navios, os nomes, o total da carga, o miserável preço da venda, EMPOBRECENDO o Brasil, ENRIQUECENDO os "compradores" e o grande VENDEDOR (sem aspas) Eliezer.

Está tudo no arquivo da "Tribuna", fechada por necessidade de silenciar o jornal que contava tudo. Os jornalões, servos, submissos e subservientes, exaltavam as vendas destruidoras, elogiavam o PROGRESSO DO AMAPÁ, por ordem de ELIEZER e da VALE. Diziam: "O Amapá abre estradas, constrói escolas e hospitais, os pobres estão muito mais atendidos e alimentados".

Mistificavam a opinião pública, queriam convencer a todos, que EXPLORAR AS RIQUEZAS do então Território, deixando os milhares de pobres habitantes sem comer, sem morar, sem hospital e escola. Tudo transitório, enquanto ESBURACAVAM todas as terras, EXTRAÍAM o manganês e DOAVAM tudo aos trustes. (Como se chamavam, na época).

Gostaria de reproduzir tudo isso, a corrupção praticada pelo pai, beneficiando e enriquecendo ele mesmo e acumulando para o filho bem-aventurado. (Mas como o jornal está fechado, tenho que ESQUECER essas matérias de 40 e 50 anos, mas a-t-u-a-l-i-z-a-d-í-s-s-i-m-a-s.  Quem nasce Batista se reproduz na riqueza de outro Batista. Só o manganês não se reproduz, dá apenas uma safra).

Mas como Eliezer foi sempre muito PREVIDENTE, controlou todos os minérios, que deixou para o filho, de "papel passado", ou então em indicações DEBAIXO DA TERRA. Mas com os mapas atualizados e do conhecimento APENAS DO FILHO, A MAIOR FORTUNA DO BRASIL, ANTES MESMO DE NASCER.

O Brasil tem quase a totalidade da produção desses minérios, como tinha do manganês, raríssimos. E como tem do NIOBIO, ainda mais raro e IMPRESCINDÍVEL, 98 por cento de tudo o que existe no mundo.

Alternando de pai para filho, afinal onde termina Eliezer e começa o Eike? O pai já completamente identificado, mesmo com presidente,
"DONO" da Vale, embora já carregasse como propriedade pessoal, a ICOMI, fundada para concorrer com a própria Vale. Utilizando a ESTATAL para produzir lucros PARTICULARES.

***

PS - O filho Eike nasceu rico e poderoso. Se descuidou, foi preso em casa pela Polícia Federal. Seguiu a receita de Daniel Dantas, "só tenho medo da Polícia, lá em cima, eu resolvo", resolveu. Ninguém sabe onde está a conclusão do ato de prisão.

PS2 - Para o HOMEM MAIS RICO DO BRASIL SER PRESO, é necessário que a acusação esteja fundamentada. ESTAVA. Mas as providências LÁ DE CIMA, também ESTAVAM.

PS3 -  Eike "funda" empresas que provocam notícias e permitem a concessão de favores. Nem é pelo lucro, e sim para exibição.

PS4 - Fora a herança "que meu pai me deixou", abriu ou comprou restaurantes, hotéis, espalhou através dos amestrados, "estou DESPOLUINDO a Lagoa Rodrigo de Freitas". Continua a mesma, ninguém conhece a Lagoa como este repórter. Mas as pessoas acreditam na DESPOLUIÇÃO. Ha!Ha!Ha! Não riam, é a tragédia da corrupção.
PS5 - É preciso que alguém obrigue Eike Batista a explicar como se tornou O HOMEM MAIS RICO DO BRASIL. Acho que quem pode fazer isso é a RECEITA FEDERAL.

ABRINDO A JANELA



José Flávio Abelha *





De volta à minha querência, abro a JANELA e sou agredido pelo besteirol do Jabor, batendo na velha tecla sobre a ameaça comunista, socialista e outros istas que podem estar ameaçando a nossa América Latina.



Volto de um périplo por países onde partidos de esquerda, comunistas, socialistas, nazistas, democratas de centro, de esquerda e de direita, direita radical, verdes e extremistas disputam eleições, fazem alianças, brigam nas ruas e nos parlamentos e, com sinceridade, nenhum jornalista ou “politicólogo” (cientista político em Portugal) ousa dizer as bobagens que o senhor Jabor costuma agredir o governo atual, na base do Hay gobierno?Soy contra !, sempre culpando o outrora Sapo Barbudo, agora Sapo de Moustache.

Não elogia Dilma, a Presidenta. Diz o Jabor que, tudo, é a herança maldita deixada pelo homem de Moustache.

Esse foi o meu despertar, avisando-me que eu já estava na minha querência e mais, que o tão falado complexo de vira-latas, muito bem analisado rodrigueanamente, não havia desaparecido.

Um mês sem ler ou ouvir nada sobre CPI’s, desacostumei-me dos nomes envolvidos e, por uns instantes, fiquei pensando o que era “cachoeira”.

Lembrei-me, então, de uma tal de CPMI do Cachoeira. Quando sai de férias eu já pensava de que tudo mais parecia um cachorro querendo morder o rabo, visto que tudo já estava apurado pela Polícia Federal, Procuradores e a Justiça.

Quando dei-me férias pensei que, ao voltar, a leréia já havia terminado e nas grades quem deveria estar, fossem políticos, gente enrricada, sabe-se lá como, e membros dos Três Poderes.

E não é que, ao voltar, encontro o cachorro dando as mesmas voltas num esforço inusitado para morder o rabo?. Vai longe esse exercício pré eleitoral.

Mas o cachorro não vai conseguiir morder o rabo. Nunca conseguiu e não vai ser agora.

Fiquei sabendo, também, que a CPI da Privataria está esquecida em algum escaninho empoeirado pela falta de vergonha de quem devia tê-la.

Ou nádegas importantíssimas estão a abafar o maior escândalo já registrado neste país ou tudo vai ser remexido, passadas as eleições de novembro.

Por agora, dizem, para animar o tempo até às eleições, vamos assistir o julgamento do chamado Mensalão, aquele que não existiu, e a CPMI/Chachoeira, que não dar em nada, salvo, a perda de mandato do senador, paladino da honestidade, bastião da moralidade e carrasco dos ladrões.

No mais, como disse o Capitão Renault aos policiais, depois que  Rick Blaine matou o Major Strasser, no final de CASABLANCA:

- Prendam os suspeitos do costume !!!

Volto ao assunto.


*Mineiro, autor de A MINEIRICE, PEQUENA INTRODUÇÃO Á TURISMOLOGIA e outros livretes, reside na Restinga de Piratininga/Niterói, onde é Inspector of Ecology da empresa Soares Marinho Ltd. Quando o serviço permite o autor fica na janela vendo a banda passar . Agora, agitante do blog JANELA DO MUNDO, http://oblogdoabelha.blogspot.com