quarta-feira, 14 de junho de 2017

14/6 - Estamos a caminhar de uma sociedade andrógina?

Octopus


Posted: 12 Jun 2017 03:21 PM PDT
.











Em nome da liberdade sexual, que deve existir, a nossa sociedade está a promover as particularidades de cada orientação sexual como um modelo social dominante.


A nossa sociedade está-se a tornar numa sociedade andrógina e estão-nos a vender esse modelo como comum, atraente e normativo, através da moda, dos espectáculos e dos média.


Existe, felizmente, uma diferença entre o Homem e a Mulher, claro que a Mulher subjugada pelo Homem não faz qualquer sentido, mas não é saudável diluir os dois géneros que se devem complementar com as suas diferenças.











Andrógina: pessoa que se sente com alguma combinação de características culturais, tanto masculinas (andro) quanto femininas (gyne) é quem se identifica e se define como tendo níveis variáveis de sentimentos e traços comportamentais que são tanto masculinos quanto femininos.


"Antigamente, a nossa natureza não era o que é actualmente. Haviam três espécies de homens e não duas como hoje: o macho, a a fêmea e uma terceira composta pelas duas outras: essa espécie é hoje uma espécie desaparecida. Era a espécie andrógina que tinha a forma e o nome das duas outras, macho e fêmea. Como eram possuidores de uma grande coragem, atacaram os deuses. Então Zeus cortou esses homens em dois."




Os "modelos" que são escolhidos actualmente nos Óscares e premiados tendem a favorecer positivamente a diferença, baralhando os sexos, como são o caso de "Brokeback Mountain", "A Rapariga Dinamarquesa" ou  "Moonlight".
Nunca se viu (ou ouviu) falar tanto de homossexuais (e afins) como agora.

 

 

O mundo do espetáculo mediático promove a ambiguidade sexual, exemplo disso é a Eurovisão. O próprio Salvador Sobral o defende. E que pensar da edição de 2014 da Eurovisão com Conchita Wurtz, o candidato(a)  austríaco(a) que associava com "muito charme" uma silueta feminina com uma barba viril. A transexualidade apresentada como normalidade.

 

 

A dessexualização abala a identidade humana e social. A ambiguidade sexual tornou-se uma moda que floresce no nosso quotidiano e passou da aceitação, à tolerância e finalmente a um modo padrão. 

 

É tempo de reenquadrar o Homem e a Mulher como complemento e não como mistura pouco definida das suas essências.




.

 

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário